CLP e Renato Casagrande debatem os principais desafios do Espírito Santo em 2020

today11 de fevereiro de 2020
remove_red_eye336

O CLP – Liderança Pública se reúne nesta quarta-feira, 12/02, em Vitória, com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, para apresentar um diagnóstico completo do estado em relação aos dez pilares do Ranking de Competitividade 2019. A vice-governadora Jaqueline Moraes e os secretários de todas as pastas também participam do encontro.

O Espírito Santo foi o 6º estado mais competitivo do país em 2019, ficando duas posições acima de sua performance na edição do Ranking de 2018, quando ocupava a 8ª colocação. O encontro vai detalhar os indicadores de cada um dos pilares que compõem o Ranking, com o objetivo de oferecer as autoridades estaduais um claro diagnóstico dos destaques e desafios do estado em diferentes áreas.

Organizado anualmente pelo CLP – Liderança Pública em parceria com a The Economist Intelligence Unit e a Tendências Consultoria Integrada, o Ranking de Competitividade é uma das principais ferramentas de avaliação da gestão pública do Brasil e busca pautar a atuação de líderes públicos na melhoria da competitividade dos seus estados.

São 70 indicadores distribuídos em dez pilares: Sustentabilidade Ambiental, Capital Humano, Educação, Eficiência da Máquina Pública, Infraestrutura, Inovação, Potencial de Mercado, Solidez Fiscal, Segurança Pública e Sustentabilidade Social.

De acordo com o Ranking de Competitividade, dos 26 Estados brasileiros (além do Distrito Federal), 16 apresentaram piora nas contas públicas ou mantiveram uma situação fiscal frágil. Por outro lado, o Espírito Santo conquistou o segundo lugar no ranking geral no quesito Solidez Fiscal, com destaque para o Gasto com Pessoal.

A unidade federativa também registrou grande evolução nos pilares de Sustentabilidade Ambiental, Infraestrutura, Segurança Pública e Potencial de Mercado. Em Infraestrutura, ES saiu da 16ª posição para a 8ª; já em Segurança Pública subiu 5 posições alcançando a 10ª posição e, por fim, em Potencial de Mercado o estado ganhou 12 posições, chegando ao 12° lugar.

Por outro lado, para conseguir integrar o grupo dos cinco estados mais bem avaliados e atrair mais investimentos, o estado precisa melhorar em alguns pilares como Capital Humano e Inovação.

No primeiro, que mede Custo de Mão de Obra, Pessoas Economicamente Ativas com Ensino Superior, Produtividade do Trabalho e Qualificação dos Trabalhadores, o Espírito Santo teve uma queda acentuada de 7 posições. Já no segundo, o estado ocupa a 24ª posição, apresentando baixo número de empreendimentos inovadores, como aceleradoras e incubadoras, além de baixo investimento em P&D.

Dessa forma, o grande foco de debate será apresentar um diagnóstico geral e sugerir possibilidades de melhorias para o estado, tendo como objetivo  a entrega de serviços públicos de qualidade para a população.

Confira aqui mais informações sobre o Ranking de Competitividade dos Estados 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*