Filmes nacionais recentes discutem saúde mental de forma franca, confira aqui

today28 de maio de 2024
remove_red_eye315

Quatro longas atuais abordam temas como suicídio e loucura fomentando debates sobre essas questões

Quatro filmes nacionais recentes têm buscado normalizar as conversas sobre depressão, ansiedade e saúde mental, debatendo sobre a temática de forma franca, segura e honesta, fomentando ao público a possibilidade de debates e reflexões.

As Linhas de Minha Mão, de João Dumans (foto: divulgação)

Já tendo estreado em diversas cidades do país, o documentário AS LINHAS DA MINHA MÃO, de João Dumans, tem como protagonista a artista Viviane de Cássia Ferreira, que fala abertamente sobre suas experiências com a arte e a loucura. E, a partir disso, o filme investiga o seu trabalho e a relação deste com saúde mental. 

“Minha questão em relação à Viviane, minha percepção e fascinação por ela, estão muito relacionadas à clareza e a precisão com que ela é capaz de articular certas ideias sobre a vida e sobre a loucura. Com o seu poder de síntese e de explicação de realidades e estados emocionais complexos. Coisas que me parecem ser bem difíceis de formular. Seja em relação à loucura, à solidão, a questões afetivas e sexuais”, analisa o cineasta.

Meu Casulo de Drywall, de Carol Fioratti (foto: divulgação)

A METADE DE NÓS, de Flavio Botelho e MEU CASULO DE DRYWALL, de Caroline Fioratti, são dois longas que abordam o suicídio.

A METADE DE NÓS partiu da necessidade do cineasta de falar sobre os sentimentos em relação à morte da irmã por suicídio, pouco depois do nascimento da filha. O filme traz um casal de protagonistas que recepciona de modos extremamente opostos a perda repentina de um filho único adulto, investigando as buscas por respostas e curas emocionais com bastante responsabilidade. O longaganhou o Prêmio do Público como Melhor Filme de ficção brasileiro na 47ª Mostra internacional de Cinema de São Paulo.

“O suicídio impacta muitas pessoas e os sentimentos são os mais variados. Geram culpa, vergonha, às vezes, raiva. Mas meu pai teve um processo muito bonito, porque era um cara fechado sobre seus sentimentos e acabou escrevendo um livro sobre a história”, conta Flavio Botelho, em entrevista.

Já em MEU CASULO DE DRYWALL, o suicídio de uma jovem de 17 anos num condomínio de luxo é o ponto de partida para a investigação de como seus pais e amigos tentam lidar com essa perda imensa. O filme transita entre dois tempos para também contar a história dessa moça e de como ela chegou a esse ato extremo. O elenco conta com Bella Piero, Maria Luisa Mendonça, Mari Oliveira e Michel Joelsas.

“Imagino como pode ser prejudicial para uma mente em formação viver fechada num condomínio, protegida do mundo exterior. A ideia com o filme era romper com essa bolha, olhar o que acontece diante do inesperado, quando a tragédia se abate por dentro”, disse em entrevista, a diretora, que também assina o roteiro.

Ninguém Sai Vivo Daqui, de André Ristum (foto: divulgação)

O longa NINGUÉM SAI VIVO DAQUI, de André Ristum, é inspirado no livro “Holocausto Brasileiro”, de Daniela Arbex, e narra o genocídio que aconteceu no maior hospital psiquiátrico do país, o Centro Psiquiátrico Hospitalar de Barbacena, entre 1903 e 1980. 

“O tema me fascina desde muito cedo. Acho que a proximidade com pessoas com algum tipo de patologia ao longo da minha vida e o aprofundamento na minha psicanálise pessoal me despertaram um grande interesse em explorar esse tema. Desde “A voz do silêncio”, fui mais fundo nisto e, no caso do “Ninguém sai vivo daqui”, agora o tema toma um lugar ainda mais dominante”, disse Ristum em entrevista. 

Em breve, anunciaremos as datas de cabines de cada filme. Mais informações sobre os longas, a seguir:

AS LINHAS DA MINHA MÃO, de João Dumans – Estreou em abril de 2024
Elenco: Viviane de Cássia Ferreira, Leandro Acácio, Douglas Klinger
Distribuição: Embaúba Filmes

Sinopse: Por meio de uma série de encontros imprevisíveis, uma atriz fala sobre a sua experiência com a arte e a loucura. Dividido em sete atos, o filme é, ao mesmo tempo, o retrato de uma mulher e um estudo sobre as possibilidades desse retrato.

A METADE DE NÓS, de Flavio Botelho – Estreia 30 de maio de 2024
Elenco: Denise Weinberg, Cacá Amaral, Kelner Macêdo, Clarice Niskier, Henrique Schafer, Justine Otondo
Distribuição: Pandora Filmes

Sinopse: A trajetória de um casal na terceira idade que perde o primeiro e único filho em um suicídio. Uma família que se decompõe. Francisca e Carlos buscarão motivações para se livrarem de culpas e suposições de como seria se tivessem agido diferente, o que permitirá que criem novas maneiras de viver.

NINGUÉM SAI VIVO DAQUI, de André Ristum  – Estreia 11 de julho de 2024
Elenco: Fernanda Marques, Augusto Madeira, Andreia Horta, Rejane Faria
Distribuição: Gullane + 

Sinopse: No começo dos anos 70, a jovem Elisa é internada à força pelo pai no Hospital psiquiátrico Colonia, por ter engravidado do namorado. Após passar por muitos abusos, Elisa, junto com outros colegas injustiçados, lutará para encontrar uma maneira de fugir dessa sucursal do inferno.

MEU CASULO DE DRYWALL, de Caroline Fioratti – Estreia 12 de setembro de 2024
Elenco: Bella Piero, Maria Luisa Mendonça, Michel Joelsas, Mari Oliveira, Daniel Botelho, Caco Ciocler, Débora Duboc, Lena Roque, Flávia Garrafa e Marat Descartes
Distribuição: Gullane +

Sinopse: O suicídio de Virgínia, durante sua festa de 17 anos, abala a vida dos moradores de um condomínio nobre da cidade. Para a maioria, uma tragédia passageira, mas para sua mãe e amigos o início de uma transformação, a rachadura no casulo de drywall.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*