Capixabas produzem cordeiros de alto rendimento

today19 de agosto de 2014
remove_red_eye265

Com uma área de cerca de 46.000 km², o Espírito Santo possui extensão territorial adequada para comportar rebanhos de pequeno porte. É por esta razão que nos últimos anos a ovinocultura cresceu no estado. Hoje, o plantel capixaba aproxima-se das 50 mil cabeças, formadas principalmente pelas raças Santa Inês, Dorper e White Dorper. As duas últimas são de origem sul-africana e seguem em franca expansão na pecuária brasileira.

O cruzamento industrial é uma ferramenta que tem ajudado na melhoraria da eficiência na produção da carne de cordeiro. “O cruzamento das raças Dorper e White Dorper com o Santa Inês tem aumentado significativamente o rendimento de carcaça e a precocidade dos cordeiros”, explica Alcílio José Boechat, mais conhecido por Zezinho Boechat, presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos no Espírito Santo (ACCOES) e representante estatual da Associação Brasileira dos Criadores de Dorper (ABCDorper).

O real desafio dos capixabas é o mesmo de toda a ovinocultura nacional: organizar a cadeia produtiva e conseguir produzir em escala industrial. O estado possui dois frigoríficos com Selo de Inspeção Estadual (SIE) e outros dois estão em fase de construção. A procura por carne de cordeiro é crescente, mas falta produto de qualidade – e em quantidade – no mercado. “Uma boa demanda existe, porém, a produção ainda é tímida. Boa parte do cordeiro consumido no ES é trazida de outros estados e até mesmo de países vizinhos”, avalia Boechat.

Mão de obra qualificada também é um gargalo a ser superado pelos produtores. Uma solução surgiu de uma parceria público-privada entre ACCOES, Sebrae e a Secretaria de Agricultura do Espírito Santo. O Programa Cordeiro Capixaba busca fornecer consultoria tecnológica aos produtores, com o objetivo de aumentar a produtividade e a qualidade de carne do cordeiro capixaba. E considerando o consumo médio estimado de carne ovina, de 1,00 kg/hab/ano há no estado a necessidade de 3.500.000 kg de carne de ovinos. Isso exigiria 234 mil animais. Hoje, o quilo vivo de cordeiro é comercializado a R$ 7.

“O Espírito Santo possui bons produtores dedicados a seleção de animais de alto potencial genético, a principal fonte dos reprodutores comerciais que serão utilizados nos projetos de carne”, aponta o presidente da ACCOES. Zezinho Boechat também destaca a qualidade das raças Dorper e White Dorper no estado. “O capixaba já descobriu o grande potencial das raças. Está clara a produtividade, a precocidade e a habilidade materna, dentre tantas outras características, que colocam a raça em evidência nacional”, conclui. A ACCOES possui 45 sócios e atende um rebanho de 10 mil ovinos e caprinos.

Fonte Pec Press®/Imprensa Agropecuária
Foto Dorper Cauipe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*