Jardins Terapêuticos: unidades de saúde de Vitória cultivam plantas medicinais

today25 de julho de 2022
remove_red_eye110

A sabedoria popular ensina muito por meio de ditados populares, como o conhecido: “quem planta e cria, colhe alegria”. Mas, além de ensinar sobre hábitos de vida, o conhecimento popular também tem muito a dizer sobre plantas medicinais. É justamente com a união entre o saber tradicional e o científico sobre plantas medicinais que a Secretaria Municipal de Saúde de Vitória (Semus) vem realizando atividades educativas e compartilhando entre seus profissionais de saúde e usuários, por meio dos Cursos de Fitoterapia e Jardins Terapêuticos.

Presente em unidades básicas de saúde (UBS) e no Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e Outras Drogas (Caps AD), o Jardim Terapêutico, ou Jardim Medicinal, procura estimular o autocuidado, a autoestima, e a troca de informações entre os usuários desses espaços e entre o saber tradicional e o científico.

Segundo a médica e referência técnica em Práticas Integrativas e Complementares em Saúde de Vitória (PICS), Henriqueta Sacramento, os Jardins Terapêuticos trazem uma série de benefícios para a saúde individual e coletiva. “Os Jardins tornam o ambiente nas unidades de saúde mais acolhedores, auxiliam na integração entre os usuários e os servidores, além de estimular os cuidados integrativos e naturais”, explica.

Dentre os munícipes que já conhecem os benefícios dos Jardins Medicinais das unidades, está a Cristiane Alves da Silva,de 48 anos, moradora do bairro Forte São João. Ela e a família sempre usaram as plantas como medicamentos. Ao conhecer o Jardim Terapêutico da UBS do Forte São João, Cristiane se tornou defensora da medicina natural no lugar de remédios industrializados.

“O que aprendi sobre plantas medicinais na unidade só reforçou o que eu já sabia a respeito disso. Na minha família, os chás, xaropes e gargarejos feito a partir de romã, cidreira ou capim limão sempre deram muito certo, com efeitos rápidos. E acho melhor ter essas plantas em casa do que pilhas de caixas de remédio”, declara Cristiane.

Treinamento
Para disseminar o conhecimento entre as comunidades, a Semus capacitou no primeiro semestre desse ano, 13 profissionais de saúde sobre Jardins Terapêuticos e Fitoterapia. O curso, ministrado pela referência técnica em PICS, a médica Henriqueta Sacramento e o engenheiro agrônomo da equipe, Geneilcimar dos Santos Ferreira, contou com aulas teóricas e práticas, que ocorreram na Escola Técnica de Saúde de Vitória (ETSUS) e na Unidade de Saúde de Andorinhas. Durante o treinamento, os profissionais participaram de oficinas de preparos de receitas artesanais e tradicionais.

Esse curso incentivou as agentes de combate às endemias da UBS de Jesus de Nazareth, Adriana Mary Ferreira e Denise Cláudio Benedicto a desenvolverem a “Quinta do Chá” na unidade. O projeto consiste em oferecer, todas as quintas-feiras, pela manhã, chás feitos a partir de plantas muito conhecidas da população a todos que chegam à unidade, pacientes ou profissionais de saúde que atuam no local.

Além de ofertar a bebida, as agentes aproveitam para orientar, tirar dúvidas sobre o chá ofertado no dia, como benefícios e contraindicações. “Alguns reclamam dizendo que o chá está muito fraco, ou sem açúcar. Então explicamos que o açúcar pode retirar propriedades do chá, que é preciso uma quantidade certa de folhas, para não fazer mal. O curso me deu segurança para ofertar essas bebidas dentro da unidade”, conta Adriana.

O próximo passo, segundo as agentes, é criar um Jardim Terapêutico na unidade para que todos os moradores atendidos pela UBS possam usufruir dos benefícios das plantas medicinais.

Marly Moraes, de 62 anos, é uma das moradoras do bairro Jesus de Nazareth que ama chás e está até incentivando o projeto na unidade, doando algumas mudas que possui em sua casa. Ela faz isso porque acredita que os benefícios dessas bebidas vão além dos efeitos medicinais “O remédio da farmácia é mais prático, porém o chá é mais gostoso. E já no preparo, você começa a relaxar, antes mesmo de beber. Por isso, prefiro os chás e xaropes que eu mesma preparo”, declara Marly.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*