Anchieta. Fumacê, saiba quando ele deve ser usado

today15 de abril de 2019
remove_red_eye229

A Secretaria de Saúde de Anchieta (Semus) vem realizando diversas ações para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika, chikungunya. O apoio da população é fundamental nesse sentido. Cabe a cada morador evitar objetos que acumulam água parada e manter limpos seus quintais. Quanto à utilização do carro fumacê, a Secretaria de Saúde explica sobre o uso correto, amparado aos critérios técnicos do Ministério da Saúde (MS).

Conforme o MS, a utilização do carro fumacê somente é indicada em localidades onde existe alto índice de infestação do Aedes aegypti  e casos notificados das doenças. De acordo com informações da Vigilância Epidemiológica Municipal, até a presente data, Anchieta teve 69 casos notificados, desses, 10 foram descartados e 09 casos confirmados. Os demais ainda estão aguardando resultado laboratorial, portanto não há uma epidemia, conforme conclui a Semus.

De acordo com a gerente da Vigilância em Saúde, Joseane Redivo, para cada caso suspeito notificado o serviço da Vigilância Ambiental do município promove o “bloqueio de caso”, ou seja, realiza a aspersão espacial do veneno malathion com autorização e liberação do produto pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), no entorno da moradia do paciente suspeito de dengue, zika, chikungunya e Febre Amarela.

“Esse serviço é realizado sempre ao amanhecer ou ao entardecer, por ser o período de maior atividade do mosquito Aedes, uma vez que este tem hábitos diurnos, diferente das demais espécies de mosquito. A aplicação do veneno tem efeito apenas sobre o mosquito adulto, não destruindo ovos e larvas”, explica a gerente que é enfermeira.

A Vigilância Ambiental de Anchieta esclarece que para o uso do carro fumacê devem ser respeitados critérios técnicos e recomendações do Ministério da Saúde. Segundo a gerente da Vigilância Epidemiológica, Suelen Petri, atualmente, a eficácia deste procedimento é contestada, uma vez que só atinge o mosquito alado (adulto), desta forma não combate os ovos e larvas.

“O fumacê não é indicado para controle de pernilongos e maruins, pois a sua aplicação atinge a população de insetos em sua totalidade, podendo provocar desequilíbrio do ecossistema afastando assim os pássaros por um bom período e, principalmente, pode tornar a população de Aedes aegypti resistente à ação do inseticida, tornando-o menos eficaz em caso de epidemia de Dengue, Zika, Chikungunya e até mesmo a Febre Amarela”.

Informações do Ministério da Saúde alertam para o uso indiscriminado do fumacê, pois o veneno pode ainda causar outros danos ao meio ambiente, com a morte de insetos polinizadores, como abelhas, borboletas e predadores naturais e a saúde humana também quando usado abusivamente. 

O MS enfatiza que a aplicação do inseticida de maneira espacial é uma forma apenas emergencial e complementar às demais técnicas de enfrentamento. Por isso, a indicação tem critérios muito bem definidos. É preciso continuar comas ações de bloqueio de transmissão com ações de eliminação de focos do mosquito, educação com informações sobre prevenção.

Outra ação para o controle do mosquito que a Secretaria de Saúde vem realizando é a instalação de 10 armadilhas nos principais pontos da cidade, a fim de capturar o mosquito na sua forma adulta. Essas armadilhas são monitoradas semanalmente e até o momento, de todos os mosquitos capturados, apenas 05 eram da espécie Aedes aegypti e nenhum apresentou infestação pelo vírus.

“Mediante aos fatos analisados, podemos afirmar que não estamos em epidemia de dengue e sim em sinal de alerta para adotarmos medidas de controle mais eficaz, eliminando os criadouros e não deixando o mosquito se desenvolver”, explica Josiane.

Além das ações cotidianas de visita as residências e terrenos baldios pelos agentes de endemias, a Secretaria de Saúde irá promover todos os sábados mutirões nos bairros, a fim de realizar um pente fino.

Orientações do Ministério da Saúde sobre o Fumacê:

Por ser um inseticida, o malathion pode causar danos à saúde se a exposição ao produto for longa ou corriqueira. Por isso, quando ele é jogado em residências, os moradores devem deixar o local junto com seus animais de estimação. “Todos os inseticidas são neurotóxicos, ou seja, atacam o sistema nervoso. O que muda de remédio para veneno é a dose. Neste caso (combate ao Aedes aegypti) ele é jogado em doses capazes de matar o mosquito. O problema é o uso indiscriminado de inseticidas. O inseticida serve para bloquear epidemias e não deve nunca ser usado de forma preventiva”, afirma a entomologista Denise Valle, da Fiocruz, que estuda formas de conter a expansão do Aedes.

CRONOGRAMA DOS MUTIRÕES EM ANCHIETA:
13/04 – Planalto e Nova Anchieta
13/04 – Planalto e Nova Anchieta
27/04 –Ubú
04/05 – Morro da Penha e Porto de Cima
11/05 – Nova Jerusalém
18/05 – Nova Esperança
25/05 – Centro de Anchieta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*