Educação ambiental promove preservação de nascentes na região do Caparaó

today10 de outubro de 2020
remove_red_eye631

Cafeicultores da região do Caparaó, que abrange Minas Gerais e o Espírito Santo, vêm promovendo ações para recuperar e preservar nascentes localizadas em suas propriedades. A iniciativa faz parte do Programa de Educação Ambiental da Samarco junto aos produtores rurais da faixa de servidão dos minerodutos, conduzido em parceria com a empresa de assistência rural Caparaó Jr.

O trabalho de preservação consiste em limpar e cercar a área para evitar que animais causem danos, controlar a erosão e realizar o plantio de espécies nativas. Ao todo, já foram promovidas intervenções em 12 nascentes, que abastecem diretamente 42 famílias e 190 pessoas.

O tecnólogo em Cafeicultura da Caparaó Jr, Danilo Mendes, explica que o programa promove a assistência técnica às lavouras e incentiva que os produtores rurais se atentem à sustentabilidade ambiental, social e econômica das propriedades.

“A partir da demanda levantada pelos próprios produtores, demos início à iniciativa. Selecionamos 12 propriedades para executar o trabalho de recuperação e preservação das nascentes, aplicando boas práticas no uso e conservação do solo e da água. Estamos avaliando os resultados e pretendemos ampliar as atividades para 30 nascentes localizadas em toda a extensão do programa”, destaca.

De acordo com Mendes, a ação contribui para a melhoria de importantes bacias hidrográficas, como a do rio Doce (MG), de Itabapoana (RJ) e de Itapemirim (ES). Além disso, influencia diretamente a quantidade e qualidade do abastecimento dos rios e da população, favorecendo a conservação da biodiversidade, uma vez que a região do Caparaó possui muitos córregos, riachos e nascentes.

Mais vazão
No Espírito Santo, na propriedade do produtor José de Faria, em Dores do Rio Preto, a parceria possibilitou a construção da área de isolamento da nascente. Com isso, garantiu mais água para abastecer o “Recanto do Cerro”, como é conhecido o local de agroturismo, que recebe visitantes e realiza eventos voltados para agroecologia e manejo orgânico.

“Temos aqui uma importante nascente de cabeceira que forma um curso d’água para o córrego Caparaozinho. Fui capacitado no projeto para fazer o isolamento da área e contribuo para reduzir a degradação ao meio ambiente em favor da vida”, contou.

Produtor de café, feijão, milho e amendoim na propriedade Nossa Senhora de Fátima, em Espera Feliz (MG), Juesélito do Amaral, identificou a necessidade de recuperar e proteger as áreas próximas à nascente e cursos d’água de sua propriedade. Atualmente, ela atende cerca de 25 famílias vizinhas.

“Com o trabalho que realizamos, a vazão de água da nascente passou de 300 mil litros por dia para quase 500 mil litros, além de descobrirmos 14 olhos d’água. O projeto é fundamental para a agricultura familiar”, disse.

Agente multiplicador
Segundo o tecnólogo Danilo Mendes, o programa também visa à capacitação dos agricultores para que sejam multiplicadores. “O interessante é o produtor participar juntamente com os técnicos, aprender a executar o trabalho e, principalmente, replicar os conhecimentos adquiridos nas propriedades vizinhas e até mesmo em outras nascentes”, ressalta. 

O produtor Juesélito comemora o avanço e os resultados. “Vi a necessidade de buscar orientação, trocar experiência com outros produtores e estou satisfeito com o trabalho realizado. A parceria entre a Caparaó Jr. e a Samarco proporcionou diversas oportunidades para a minha família. A nossa atividade principal é a produção de café, mas até a nossa água foi eleita uma das melhores da região. Isso é fruto do trabalho em conjunto”.

Para Rodolpho Samorini, coordenador de Relacionamento Institucional e Comunidades da Samarco, a parceria contribui para o desenvolvimento e crescimento de importantes projetos para os produtores. “O programa de educação ambiental mostra que é possível a parceria entre setor acadêmico, empresa e sociedade civil. Nos últimos anos, acompanhamos de perto a melhoria nos processos de produção de café em toda a região do Caparaó que hoje são reconhecidos por sua excelência. Com o projeto de recuperação de nascentes, esperamos contribuir para que a propriedades rurais sejam reconhecidas também por preservarem o meio ambiente”, destacou.

Parceria
Há 10 anos, a Samarco e a Caparaó Jr., juntamente com o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) – Campus de Alegre promovem desenvolvimento, qualificação, produtividade e melhoria de renda para a região, por meio do Programa de Educação Ambiental. A iniciativa já contemplou cerca de 1.200 cafeicultores de 33 comunidades de 11 municípios do Espírito Santo e de Minas Gerais. A Caparaó Jr. é uma empresa formada por alunos do Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura do Ifes – Campus de Alegre.

Fotos Caparaó Jr e André Berlinck

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*